Welcome to Evently

Lorem ipsum proin gravida nibh vel veali quetean sollic lorem quis bibendum nibh vel velit.

Evently

Stay Connected & Follow us

Simply enter your keyword and we will help you find what you need.

What are you looking for?

Good things happen when you narrow your focus
Welcome to Conference

Write us on info@evently.com

Follow Us

  /  fique ligado!   /  De moto pela Serra do Rio do Rastro e região

De moto pela Serra do Rio do Rastro e região

O principal destino de mototurismo do Brasil: cravada entre curvas e paredões, a Serra do Rio do Rastro é desejo latente de muitos motociclistas. Viajar para longe, explorar, sentir o vento e sentir-se pequeno diante do mundo são sensações comuns de quem passa por ali.

Texto e fotos: Ton Pederneiras

Nosso tour já começou descendo a Serra do Cafezal próximo a São Paulo, agora duplicada sem trânsito e com um belo visual. Seguimos pela maior rodovia federal do Brasil cruzando também a bela e mortal Serra do Azeite para chegar até a entrada da Estrada da Graciosa.

Serra do Rio do Rastro iluminada à noite

Essa estrada merece parágrafo à parte. Em meio à maior
reserva de mata atlântica do Brasil, a estrada que era usada pelos tropeiros e
suas mulas liga o litoral à serra. Não bastasse ser cheia de curvas, íngreme e
calçada de paralelepípedos, o que aterroriza muitos pilotos em dias de chuva, ela
é enfeitada de hortênsias azuis. Antes de começar a descida, paramos para fotos
no icônico portal barroco à beira da BR-116.

A ponte antiga sobre o Rio Nhundiaquara, em Morretes

Após a descida, cruzamos alguns rios com muitas pedras e
alguns banhistas e seguimos até chegar aos casarões de época em Morretes, já no
Paraná. A charmosa cidade floresceu à beira do rio Nhundiaquara. Experimentamos
lá o tradicional barreado no restaurante Madalozo à beira do rio. A carne é
feita em panela de barro e servida com farinha, banana e demonstrada
detalhadamente pelo garçom.

Comendo o tradicional barreado no Madalozo, em Morretes

Não é possível passar por Morretes e não comer mais do que
se deve. Enquanto nos recuperamos, atravessamos nossas motos de balsa entre
Caiobá e Matinhos no litoral para então acessar a Estrada dos Príncipes que nos
levou a Joinville, SC. Para jantar no estilo da cidade, comemos em um
restaurante alemão com direito a salsichão, joelho de porco e tartar.

Vista do amanhecer nas Serras Catarinenses no hotel Rota dos Cânions

Seguindo para o sul

No dia seguinte trocamos a BR116 pela 101 e de tempos em
tempos avistávamos o mar e a imensa ilha de Florianópolis. Paramos para almoçar
em uma das praias mais lindas do Brasil: a Guarda do Embaú, onde o rio da Madre
não tem pressa de chegar ao mar e cria desenhos com água, areia e gôndolas. Ali
almoçamos no Guarda a Gosto e o melhor prato (que não está no cardápio) é o
Camarão da Jane – fica a dica! Enquanto o prato era preparado, fizemos uma
caminhada até a costa de pedras.

Pé na areia: caminhada pela praia na Guarda do Embaú

São tantos lugares lindos que quase perdemos o foco. Então
orientamos o GPS para o Rio do Rastro. Saímos da BR101, em Tubarão, e dai para
frente tudo muda. O visual serrano da região parece ter parado um século atrás,
tudo é à base de pedra, madeira, vacas e curvas. Após Lauro Müller, SC, as
placas para a serra aumentam a ansiedade dos viajantes.

Gôndolas para atravessar o Rio da Madre na Guarda do Embaú

A subida começa discreta e aos poucos as curvas e o relevo
vão aumentando. Em pouco tempo estamos pilotando com o paredão perpendicular de
pedra a nossa esquerda e o imenso vale à direita. Então começam os cotovelos e
ao olhar para cima vemos a estrada subindo como em degraus, serpenteando o
paredão. Conforme subimos, mirantes vão aparecendo nos cartões-postais da serra.
Lá em cima a expectativa para ver (se a neblina deixar) a estrada. Às vezes é
preciso esperar, outras vezes não tem jeito, a serra não se mostra.

Lugar abençoado: visita à Pedra Furada no Morro da Igreja, ponto mais alto da região

Nos hospedamos no hotel Rota dos Cânions, em Bom Jardim da
Serra, SC. Um palácio rural entre cânions e araucárias. Da janela dos quartos
ou do salão de jantar com lareira admiramos o visual do alto das nuvens onde o
tempo parece ter parado, oferecendo uma taça de vinho. Uma vantagem de se
hospedar neste hotel é estar a 7 km da serra, propício para voltar à noite e
percorrer suas curvas iluminadas. Nessa hora a cerração transforma tudo em um
filme fantástico, onde luzes difusas iluminam a névoa e fazem o contorno das
motos parecer fantasmas dançando na brisa gelada.

A cerração dá o clima sombrio à Serra do Rio do Rastro

O dia amanhece e a luz preguiçosa da manhã dá vida à
paisagem serrana. Cerca de 70 quilômetros de ótima estrada, repleta de curvas e
pequenos vilarejos, nos separam de Urubici. A cidade mais alta do Brasil é um
parque de diversão para os motociclistas. Em seu cardápio de cartões-postais
temos: o Morro da Igreja com a Pedra Furada no ponto mais alto, a Cachoeira do Avencal
com mais de 100 m de altura, a belíssima Gruta Nossa Senhora de Lurdes, o posto
Serra Azul com tema vintage, o saboroso Paradouro Santo Antonio e a imperdível
Serra do Corvo Branco, a maior fenda do mundo com uma estrada dentro. Para
chegar a ela o piloto pega uma terrinha, mas o grande desafio é sua descida,
íngreme com asfalto péssimo, personalidade do corvo. Na volta a foto clássica
entre os paredões.

Entre paredes: a clássica foto da Garganta do Corvo Branco
Passarela de vidro sobre a Cachoeira do Avencal

Churrasco na serra

De volta ao Rota dos Cânions, à noite comemoramos o “raid”
serrano com um churrasco gaúcho no celeiro do hotel com direito a sanfoneiro. A
comida, bebida, risadas e o choro do acordeão invadem a noite da serra.

Sanfoneiro no churrasco noturno do hotel Rota dos Cânions

Acordamos mais tarde para começar nossa volta sentido São
Joaquim, a cidade que se destaca pela produção de vinho e aproveitamos para visitar
a belíssima vinícola Villa Francione. O caminho até Lages foi a despedida das
inesquecíveis estradas das Serras Catarinenses. A partir de lá a BR-116 ocupou
boa parte do dia até Santa Felicidade em Curitiba onde jantamos em suas
tradicionais cantinas italianas.

Churrasco noturno no hotel Rota dos Cânions

Último dia, mas a viagem está longe de acabar. Quase 1.300
curvas do Rastro da Serpente nos separavam de São Paulo! A estrada famosa entre
os motociclistas possui 250 quilômetros praticamente sem retas, equilibrando-se
na crista da montanha. O asfalto é um tapete e quem gosta de pilotagem se
divertiu. Em Apiaí, no meio da estrada, a foto é obrigatória sob a placa da
serpente. Em Capão Bonito, mais uma edição da placa e mais um bar temático de
moto, o Porthal do Rastro da Serpente. Antes de chegar à capital, um cafézinho
para as despedidas no Casarão 54.

Foram cinco dias repletos de pilotagem, serras incríveis e
sabores típicos do Sul do Brasil. Hortênsias, paralelepípedos, o mar, cânions, araucárias,
cachoeiras, pedras furadas, carne, vinho, cantinas, sorrisos de alegria sob os
capacetes e muitas curvas. Esses foram os ingredientes da melhor receita de
viagem para o principal destino dos viajantes de moto do Brasil.

Renovando as energias: aquela pose para a foto sob o sol da região
Serpenteando: vista da estrada em um dos mirantes da Serra do Rio do Rastro

Agradecimentos: Bieffe Capacetes, HLX, Ideapro Malas, Varella Motos
Viaje com a TRX | www.triumphexperience.com.br

Ton Pederneiras | 11 99512-1382
Tour Guide TRX e jornalista
www.destinoincerto.com.br

Veja outras aventuras de O Destino Incerto:
Descobrindo o centro-oeste brasileiro
De moto na Patagônia argentina e chilena
Conheça o SAS, Saúde e Alegria no Sertões
O Deserto do Atacama sempre surpreende
Ushuaia: chegando ao fim do mundo

Post a Comment