Welcome to Evently

Lorem ipsum proin gravida nibh vel veali quetean sollic lorem quis bibendum nibh vel velit.

Evently

Stay Connected & Follow us

Simply enter your keyword and we will help you find what you need.

What are you looking for?

Good things happen when you narrow your focus
Welcome to Conference

Write us on info@evently.com

Follow Us

  /  fique ligado!   /  Motostory: Setenta e tal! | Motociclismo Online

Motostory: Setenta e tal! | Motociclismo Online

As loucas transformações de um mercado brasileiro em ebulição!

Texto: Carlãozinho Coachman
Fotos: Reprodução / Motostory

Anos atrás, em uma das visitas que fiz a Milton Benite e
família, ele me disse com todas as letras: “Carlão, você precisa entrevistar as
pessoas que viveram os anos 1970, jovens e adultos, eles ainda estão aí, muitos
deles, e com saúde. Foram anos mágicos e eles têm muita história para contar.
Vai antes que fiquem velhos demais!” E deu uma risada gostosa.

Mototstory: Setenta e tal!
As loucas transformações de um mercado brasileiro em ebulição!
Anúncio das poderosas Honda 4 cilindros (na foto a CB 400 Four) antes do fechamento das importações

Quando este trabalho do Motostory começou, e o nome ainda
nem existia. Procurei os amigos Ricardo Pupo e Marcos Pasini, do site Motosclassicas70.
Eles já tinham feito um trabalho incrível de pesquisa, e muita coisa legal já
estava publicada. Expliquei a eles o que ainda era uma ideia e pedi: “Preciso
de ajuda. Posso usar o conteúdo do site?” – “O que você quiser, Carlãozinho. Pode
usar o que você quiser… E se a gente puder ajudar mais, conte conosco.”

Outro dia, em uma conversa informal, eu estava narrando um momento da entrevista que fizera anos atrás com o casal Murakami, Massuo e Mitika. Ele, rindo, me descrevia suas peripécias quando do lançamento da Honda CG 125 em 1976. “Eu colocava ela na garupa e ia visitar os revendedores de automóveis, para mostrar a CG.

Mototstory: Setenta e tal!
As loucas transformações de um mercado brasileiro em ebulição!
A linha Honda importada era trazida ao Brasil pela sua subsidiária já no comecinho dos anos 1970, antes do fechamento das importações e do início da produção nacional da própria Honda e Yamaha

E no fim do dia, ia passear na Augusta (Rua Augusta, em São Paulo), desfilar com a moto, e com ela.” E deu uma sonora e descontraída risada… E a esposa ainda completou: “Era um desfile mesmo.” Uma parte do grupo era de vinte e poucos anos e não captou o “Efeito Augusta”, enquanto os mais velhos riram solto. Eles entendendo perfeitamente o que era “desfilar na Augusta”, ou na Savassi, em BH, ou pelo Postinho, no Rio de Janeiro, naquele tempo.

Cada momento da história tem sua magia e seu significado,
mas muitos concordam que o final dos anos 1960 e a década de 1970 chacoalharam a
humanidade em todos os aspectos, político, cultural e industrial. A
contracultura, a Guerra Fria, Vietnã, o governo militar no Brasil, os Novos
Baianos, a explosão do rock’n roll. Veja que as principais bandas e artistas da
época continuam encantando jovens de todas as idades até hoje, e ouvir do meu
filho: “Eles são os melhores!” é apenas mais uma confirmação. Eles são os
melhores, ainda no presente mesmo.

Mototstory: Setenta e tal!
As loucas transformações de um mercado brasileiro em ebulição!
As grandes 4 cilindros ou as pequenas e econômicas nacionais. A Yamaha saiu na frente com sua fábrica em Guarulhos e a pequena RD 50, de 2 tempos
Mototstory: Setenta e tal!
As loucas transformações de um mercado brasileiro em ebulição!
A Honda só veio depois, com a CG 125 de 4 tempos

Mas voltando às motos e ao Brasil, foram anos marcados pelo glamour das importadas no início da década, a explosão da indústria japonesa e sua invasão no Brasil, os anos de ouro da motovelocidade brasileira e o início do motocross por aqui. Também foram os anos do fechamento das importações e do início da produção de Yamaha (em Guarulhos, SP) e Honda (em Manaus, AM), ao longo do tempo transformariam definitivamente o país em um dos maiores mercados de motos do mundo.

mercado brasileiro de motos
Mudança drástica no mercado evidenciada pela mudança na publicidade. As motos importadas de grande cilindrada e status deram espaço para as pequenas e econômicas motos produzidas no Brasil

Um outro acontecimento global da década, a crise de
abastecimento do petróleo, conhecida como a crise da Opep, geraria um efeito
dominó na maneira como os veículos a motor eram tratados. Os “motorzões” que
bebiam litros de gasolina por quilômetro rodado precisavam mudar. Limites de velocidade
foram fixados (e permanecem até hoje), não como medida para aumentar a
segurança, mas como forma de conter o consumo de combustível.

mercado brasileiro de motos
Mudança drástica no mercado evidenciada pela mudança na publicidade. As motos importadas de grande cilindrada e status deram espaço para as pequenas e econômicas motos produzidas no Brasil

O surgimento do Pró-Álcool no Brasil para a criação do
álcool combustível, o fechamento de postos de gasolina aos finais de semana,
tudo contribuindo para a diminuição do consumo. Também nesse aspecto as motos
de pequena cilindrada se apresentavam como solução. No alto desta página a
evidente transformação, da poderosa e nobre quatro cilindros e todo o status
que ela carregava, para a pequena, prática e econômica 125.

mercado brasileiro de motos
Muito antes da JToledo Suzuki, uma tentativa de Suzuki Motor, instalada na Lapa, em São Paulo

Vender status era “mais fácil” do que vender praticidade e
economia. Como, então, dar nobreza ao novo produto? Usar a imagem do melhor
jogador de futebol de todos os tempos era a solução. Muitos também não
conseguem entender o tamanho desta campanha tendo Pelé como garoto-propaganda. Pelé
era, e é, muito maior em termos de futebol (e imagem) do que qualquer outro
atleta na história. O personagem que chegou a parar uma guerra civil para que a
população pudesse ver sua arte, e que durante muito tempo foi o ser humano mais
reconhecido no planeta, era agora o personagem que dava a nobreza a um novo,
simples, econômico e barato lançamento.

mercado brasileiro de motos
Antes da CG Nacional, a CB importada

Ônus e bônus

Qualquer decisão, seja ela qual for, traz sempre consequências,
algumas boas, outras nem tanto. O fechamento das importações tiveram efeitos nocivos
em diversos setores da nossa economia, geraram represálias internacionais de países
exportadores, mas também serviu para impulsionar a indústria nacional de duas
rodas. Há quem diga que o mercado de motos brasileiro cresceria de uma forma ou
de outra ao patamar do milhão de unidades ao ano que conhecemos, mas eu tenho
lá minhas dúvidas. E foi justamente esse crescimento exponencial que vivemos
nas décadas seguintes, graças à decisão estratégica tomada lá nos anos 1970, que
nos transformamos na potência que somos hoje.

mercado brasileiro de motos
As pequenas Harley-Davidson Motovi vendidas na Mesbla DME

Foram justamente os mais de 20 milhões de motocicletas
circulantes no país que atraíram praticamente todas as subsidiárias de marcas importantes.
Sim, ainda há espaço para os importadores (só um brasileiro para entender e
navegar os mares bravios de nossa economia), mas praticamente todas as grandes
marcas optaram por instalar suas próprias subsidiárias no país, mesmo que
contando com um corpo de executivos profissionais brasileiros, para implantarem
políticas de mercado internacionais.

mercado brasileiro de motos
Tucano (Casarini), a mítica dupla de amigos rivais

Leia mais:
Os deliciosos anúncios de moto dos anos 1940

Uma loja ou um shopping center?

Mais uma vez, uma crise mundial vem chacoalhar nosso mercado, colocando em cheque políticas de produção, o comportamento do consumidor e mais uma mudança na forma de se adquirir e usar a motocicleta. Estamos vivendo hoje um período de transformação tão ou mais importante que aquele dos anos 1970.

mercado brasileiro de motos
A chegada da Turuna 125 dando mais nobreza para as pequenas
mercado brasileiro de motos
A Yamaha também aumenta seus motores de 2 tempos para enfrentar a concorrência da Honda no mercado brasileiro

Quem sabe, uma olhadinha na história nos ajude a entender o que pode estar por vir, não é “Pressão”? “Vai ouvir, Carlão, os personagens do anos 1970.”

mercado brasileiro de motos
Na onda da economia, a explosão dos ciclomotores no mercado brasileiro só foi atrapalhada pela indefinição da legislação. Pode ou não ser conduzido por menores?
Mototstory: Setenta e tal!
As loucas transformações de um mercado brasileiro em ebulição!
Na onda da economia, a explosão dos ciclomotores no mercado brasileiro só foi atrapalhada pela indefinição da legislação. Pode ou não ser conduzido por menores?

Texto publicado na edição 271 da revista MOTOCICLISMO
Acompanhe o Motostory em www.motostory.com.br
no Instagram e no Facebook

Post a Comment