Welcome to Evently

Lorem ipsum proin gravida nibh vel veali quetean sollic lorem quis bibendum nibh vel velit.

Evently

Stay Connected & Follow us

Simply enter your keyword and we will help you find what you need.

What are you looking for?

Good things happen when you narrow your focus
Welcome to Conference

Write us on info@evently.com

Follow Us

  /  fique ligado!   /  Estrada da morte: a fantástica ‘carretera’ na Bolívia

Estrada da morte: a fantástica ‘carretera’ na Bolívia

A Estrada da Morte (La Carretera de La Muerte) é considerada uma das estradas mais perigosa do mundo e, por isso, é atração turística na Bolívia. Neste destino sul americano, motociclistas e aventureiros do mundo inteiro se aventuram a atravessar o caminho, apenas pelo prazer da adrenalina. Portanto, segure-se firme e vamos conferir mais detalhes sobre a Estrada da Morte.

A Estrada da Morte – Camino de Los Yungas

Nos já falamos sobre a Estrada da Morte aqui no Motonline, lá em 2016 – relembre. Então, continuando, na Bolívia há um estreitíssimo caminho de aproximadamente 80 km que foi construído com trabalho escravo de prisioneiros paraguaios, durante a Guerra do Chaco, na década de 1930.

La Carretera de La Muerte: caminhos enlameados e muitos desfiladeiros na estrada – Foto: Peter J Ricci

Este trajeto liga a capital La Paz à região de Los Yungas, a nordeste, onde se desce 3.600 metros em apenas 64 km de extensão! Além disso, sua altitude máxima chega a 4.650 metros acima do nível do mar, tornando o ar rarefeito, uma dificuldade adicional para quem trafega por lá.

Conhecida como “La Carretera de La Muerte” ou “Camino de Los Yungas”, a estrada é lembrada pelo grande número de mortes em acidentes no local. A Divisão de Acidentes de Trânsito da Polícia Boliviana e a Organização Pan-Americana da Saúde afirma que em cinco anos, de 1999 a 2003, houve 1.049 acidentes, com 96 pessoas mortas anualmente.

A estrada mais perigosa do mundo

Inimaginável que tantas pessoas percam a vida num trecho tão pequeno. Entretanto, isso acaba por lhe conferir o título de “a estrada mais perigosa do mundo”, concedido pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Atualmente existe um novo caminho, mais seguro, ligando La Paz à região de Yungas. Apesar disso, a estrada antiga ainda é um roteiro muito procurado por turistas aventureiros. Confira o vídeo do programa Top Gear com Jeremy Clarkson, James May e Richard Hammond encarando o desafio.

Os desafios da Estrada da Morte?

Existem algumas interessantes regras que regem o tráfego pela Estrada da Morte. Por exemplo: a preferência de passagem é de quem sobe, ou seja, quem está descendo tem que achar um refúgio para permitir a passagem de quem está subindo. Assim, diferentemente do resto da Bolívia, o tráfego acontece em “mão inglesa”. Com isso, o condutor deve manter-se no lado esquerdo da via tendo mais visão de onde a roda que fica ao lado do abismo, tornando a condução ‘mais segura’.

Por causa de suas encostas íngremes, com largura de apenas uma pista (3 m em alguns lugares), e a falta de grades de proteção, essa estrada torna-se extremamente perigosa. Além disso, situações como umidade constante, devido à altitude, mantêm uma neblina permanente que chega a oferecer apenas poucos metros de visibilidade. Por fim, a grande incidência de chuvas tropicais, fazem o piso sem pavimentação ficar enlameado. Isso sem falar das cascatas que descem das encostas da montanha. Confira o aventureiro Peter J Ricci atravessando todo o trajeto.

Turismo com adrenalina 

Apesar do grande perigo que representa viajar por “La Carretera de La Muerte”, foi justamente isso que a transformou em atração turística, desde os anos 1990. Ao longo do tempo o trajeto passou a ser um fetiche para motociclistas e ciclistas de montain bike do mundo inteiro. Desta forma, viajantes ao redor do globo se deslocam à Bolívia simplesmente para cruzar esse pequeno trecho.

Ricci e sua KTM 1290 Super Adventure ao lado do guia – Foto: Peter J Ricci

Vários deles registram momentos em insaciáveis quantidades de fotos, que capturam os melhores ângulos, em meio à exuberante mata nativa amazônica. Apesar do grande número de desbravadores em duas rodas, são poucos os registro de acidentes com motociclistas e ciclistas.

Além disso, o Plano Nacional Boliviano, equivalente ao nosso DNER, projetou a implementação de medidas de prevenção e controle. Entretanto, o objetivo de reduzir o alto índice de acidentes ainda não surtiu efeito. Assim, a estrada continua sendo uma das mais perigosas e desafiadoras do mundo.

Post a Comment