Welcome to Evently

Lorem ipsum proin gravida nibh vel veali quetean sollic lorem quis bibendum nibh vel velit.

Evently

Stay Connected & Follow us

Simply enter your keyword and we will help you find what you need.

What are you looking for?

Good things happen when you narrow your focus
Welcome to Conference

Write us on info@evently.com

Follow Us

  /  fique ligado!   /  Titan 125 2000 a 2004: review da CG de 5ª geração

Titan 125 2000 a 2004: review da CG de 5ª geração

Na virada do milênio, a CG 125 sofreu uma renovação. A segunda geração da Titan foi estrela no stand da marca no Salão Duas Rodas 1999 e chegou ao mercado um ano depois, com linhas inéditas, farol redondo e um conceito visual totalmente desvinculado duas suas antecessoras – que ainda mantinham um pé lá nos anos 1980.

CG Titan 125 2000 a 2004 ganhou novo visual, abandonado as linhas retas e farol quadrado

CG 125 Titan 2000 a 2004

As alterações de estilo incluíam banco mais largo e com duas seções e nova rabeta. Na frente, o guidão era mais alto, o farol era redondo e com conjunto óptico com lentes de policarbonato. Tudo inédito.

A CG também ganhou versões pela primeira vez. Era encontrada nas lojas na KS, básica, com partida a pedal e freio dianteiro a tambor; e ES, com partida elétrica e freio a disco na dianteira. Logo depois foi lançada a intermediária KSE, com partida elétrica e a pedal e freio a tambor. Em 2003 surgiu uma série especial dourada, criada para comemorar a produção de 5 milhões de unidades da CG.

Versão especial com pintura dourada comemorava as 5 milhões de unidades produzidas da CG

Entretanto, a CG 125 não trazia grandes mudanças mecânicas em sua quinta geração. O motor ainda mantinha a plataforma repaginada para a Today, em 1991. O propulsor entregava 12,5 cv a 9.000 rpm e torque de 1,0 kgf.m a 7.500 rpm. Uma das novidades do conjunto era a tecnologia Tuff-up no pneu traseiro, que retardava o esvaziamento em caso de furo.

Fim da linha

Apesar dos atributos, sobretudo o visual nitidamente mais contemporâneo, a segunda geração da Titan teve vida curta. Ficou nas concessionárias menos de quatro anos, se despedindo já como modelo 2004, diante de um bom motivo: era preciso revidar o golpe da Yamaha.

YBR chegou em 2000, teve boa aceitação do mercado colocou a Honda na missão de colocar o segmento em um novo patamar

Em 2000 a concorrente deixou a era dos motores 2T para trás e lançou sua primeira street 4T, a YBR de primeira geração. Apesar de não comprometer as vendas da CG, mostrou que a Yamaha poderia oferecer um produto em pé de igualdade com o da Honda e, quem sabe num futuro, ameaçar o reinado iniciado em 1976.

Com o movimento da concorrente, Honda desenvolveu a CG 150, um produto completamente novo

Então a Honda acelerou o desenvolvimento de um novo produto, para tomar distância da concorrente novamente. Nasceria assim a CG 150, em 2004, nova herdeira do nome Titan. Diante da novidade caberia à sucessora CG 125 ser atualizada para cumprir a missão de modelo de entrada, dando origem a Fan. Mas aí já é outra história.

Com a 150 nas lojas, a 125 passou a ocupar o papel de modelo de entrada. Manteve as linhas da CG 2000 – 2004, com visual propositalmente empobrecido, e recebeu o nome de Fan

Pontos positivos 

A CG 125 de quinta geração rompeu com os traços da sua antecessora, mas manteve o motor e boa parte do conjunto que fez da família um sucesso. Tanque redesenhado, nova rabeta e banco repaginado foram soluções bem acertadas. Tudo manteve a motocicleta com gás para competir no mercado. Além disso, a versão ES ganhou o esperado freio a disco na dianteira.

Quinta geração da CG mantinha a receita de economia e robustez mas adotava novo visual, que não faz feio nas ruas mesmo atualmente

Pontos negativos

Apesar do visual renovado, a quinta geração não houve atualizações mecânicas relevantes. Além disso, a simplicidade do projeto acaba se estendendo também ao acabamento, quase espartano e sem qualquer diferencial, como opção por rodas de liga leve ou painel com contagiros.

Principal ponto negativo foi a falta de ousadia da Honda, que deixou a CG sem mudanas mecânicas significativas de 1991 a 2004

CG Titan 125 2000 a 2004 ainda vale a pena?

Mas é claro. Herdeira de uma plataforma mecânica bem aceita pelo nosso mercado, o modelo ainda hoje é sinônimo de economia e facilidade de mantunção, seja pelo preço das peças ou pela (falta de) trabalho para encontrá-las. O visual também não faz feio nas ruas justamente por ter sua vida prolongada pela Fan, que manteria suas linhas ‘atuais’ até 2008.

Outro atrativo é o preço, fazendo do modelo uma boa opção para quem quer uma companheira para o cotidiano ou até para trabalho. Segundo a FIPE, o modelo 2000 KS tem preço médio de R$ 2.529, enquanto o valor médio cobrado em uma 2003 ES é de R$ 3.435. Para comparação, uma CG 160 Start, atual modelo de entrada da família, sai por aproximadamente R$ 11.819.

Para saber mais, ver a ficha técnica ou opinar sobre a Honda CG 125, acesse o Guia de Motos!

Post a Comment